terça-feira, 17 de março de 2015

TEMORES IMPRÓPRIOS



“Vendo então os irmãos de José que seu pai já estava morto, disseram: Porventura nos odiará José e certamente nos retribuirá todo o mal que lhe fizemos.” Gênesis 50:15


Por essa suspeita injusta, eles mostraram quão abaixo de José eles estavam na verdadeira nobreza de caráter. Um coração generoso pode perdoar e esquecer francamente os danos que outros cometeram.
Perto do final do século XVII, um importante turco na Hungria fez de um nobre cristão seu prisioneiro, e tratou-o com o máximo de barbárie. O jugo de um boi foi colocado sobre o escravo e ele foi obrigado a arrastar o arado. Mas o rumo da guerra mudou, a Turquia caiu nas mãos dos húngaros, que disseram ao seu compatriota escravo: “Agora tome a sua vingança contra o teu inimigo”. Isso estava de acordo com o costume da época; e o turco supondo, como uma coisa natural, que seria torturado até a morte, já havia ingerido veneno, quando um mensageiro de seu antigo escravo cristão veio, dizendo-lhe para ir em paz; pois ele não tinha nada a temer. O muçulmano ficou tão impressionado com esse espírito celeste, que proclamou, em seu último suspiro: “Eu não morrerei muçulmano, mas morrerei cristão; pois não há nenhuma religião, a não ser a de Cristo, que ensina o perdão dos pecados”. 


The Sunday School Teacher: A Biblical and Education Magazine, Vol 3, 1877.
Tradução ©Editora Letras 2015




0 comentários:

Postar um comentário